Difícil de acreditar! Preços de exames laboratoriais apresentam diferença de até 1.578%

0

Pesquisa realizada pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão da Secretaria de Estado de  Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast  com objetivo de verificar preços  cobrados por serviços laboratoriais em Campo Grande  constatou diferenças que vão de  1,30% até 1.578,38 % em  modalidades de exames oferecidos por diferentes laboratórios da  Capital.

 

Foram pesquisados 68 produtos em 11 estabelecimentos especializados (laboratórios), tanto na área central como em bairros de Campo Grande, no período de  28 de fevereiro a 06 de março em curso. A menor diferença de preços ( 1,30%) está  no exame denominado “Protrombina TTPA”, uma vez que no laboratório Célula localizado na avenida Júlio de Castilhos, bairro Santo Amaro,  pode ser feito por R$ 30,80 enquanto no laboratório Sabin, também na Júlio de Castilhos,  Vila Alba, custa R$ 31,20.

 

Já, a maior diferença registrada (1.578,38%) tem a ver com “atividade da proteína C” que é oferecido por R$ 18,50 no Labminei localizado na rua Rui Barbosa, bairro São Francisco, por R$ 18,50 e no laboratório Sabin,  não sai por menos de R$ 310,50. Outro serviço cuja diferença de  preços chamou a atenção foi “curva de insulina pós glicose” que pode ser feito no Multilab (avenida Mato Grosso – Centro) por R$ 15,00 ou no Biodiagnostic (rua Pedro Celestino – centro) por R$ 180,00, ou seja,  diferença de  1.100%.

 

“A pesquisa é uma prática sadia que pode trazer, entre outros benefícios,  economia para o consumidor. Pesquisar não é perder tempo, mas  procurar se valer da concorrência para gastar um pouco menos”, comenta Marcelo Salomão, superintendente do Procon Estadual. Além dos laboratórios já citados, a pesquisa percorreu, também o Bioclinico (na Padre João Crippa- centro), o Labclin (Candido Mariano – centro), o Masterlab (Dom Aquino – Vila Cidade), o Oswaldo Cruz (Maracaju – centro), Santa Casa (Eduardo Santos Pereira – centro) e Ultralab (Barão do Rio Branco – centro).

 

 

 

 

Foto: Procon/MS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui