Em celebração aos 34 anos, DOF relembra Coronel Adib e comemora recordes de apreensões

O Departamento de Operações de Fronteira (DOF) comemora, nesta sexta-feira (28), 34 anos de sua criação.

0

Criado no dia 28 de maio de 1987, por meio da Resolução nº. 119/87, o Grupo de Operações de Fronteira (GOF), com efetivo de 16 (dezesseis) policiais, sendo oito policiais militares e oito policiais civis, todos subordinados, na época, à antiga Secretaria de Segurança Pública (SSP), com a missão de realizar o policiamento na região da Grande Dourados, no combate aos crimes de narcotráfico, furto e roubo de veículos, de cargas, em propriedades rurais, golpe do seguro e outros crimes específicos na região. O DOF teve como primeiro Diretor o Coronel PM José Humberto da Silva Vilarins, no período de 28/05/1987 a 07/03/1989.

 

No início, o GOF estava sediado na capital do Estado, porém, devido à distância da sua área de atuação, no ano de 1989, a sede do Grupo foi transferida para um imóvel alugado na cidade de Dourados com a missão de realizar o policiamento ostensivo itinerante na faixa de fronteira do Brasil com o Paraguai.

 

Policiais do antigo GOF

Por conta dos bons resultados apresentados desde a sua criação à comunidade da região, por intermédio da Sociedade dos Amigos da Liberdade, Vigilância e Esperança (Salve), construiu, no ano de 1994, um prédio de 1.100 m², e o cedeu ao Estado, em regime de comodato, para abrigar a Unidade Policial.

 

No dia 15 de janeiro de 1996, com a reestruturação da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (SEJUSP), por força do Decreto Estadual nº. 8.431, o Grupo de Operações de Fronteira (GOF) passou a denominar-se Departamento de Operações de Fronteira (DOF). Em 21 de maio de 1999, por força da Resolução nº. 228, o DOF passou a policiar a fronteira com a Bolívia.

 

No dia 28 de dezembro de 2006 foi criada a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron) integrada ao Departamento de Operações de Fronteira, por meio do Decreto nº. 12.218.

 

Atualmente o DOF é regido pelo Decreto Estadual nº. 12.752, de 12 de maio de 2009 e pela Resolução SEJUSP/MS/Nº. 905, de 27 de agosto de 2020, e atua em 53 (cinquenta e três) municípios do Estado, com a presença mais efetiva nos 730,8 quilômetros de fronteira seca, nos 1.514 quilômetros de fronteira com o Paraguai e com a Bolívia abrangendo, inclusive, uma extensa área rural. Em caso de necessidade, e por determinação do Sr. Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, o DOF atua em outros municípios do Estado. Seu atual Diretor é o Coronel PM Wagner Ferreira da Silva

 

Apreensões Recordes

O DOF fez a maior apreensão de maconha da história do Brasil. No dia 26 de agosto de 2020 foram apreendidas 33,3 toneladas do entorpecente. Em 34 anos de história o Departamento tem resultados impressionantes. Foram apreendidas 1.006 toneladas de drogas; 95 milhões de maços de cigarros; 1.157 armas de fogo apreendidas; e, 1.998 veículos recuperados.

Somente no ano de 2021 o DOF já apreendeu mais 115 toneladas de drogas, um volume 162% quando comparado o mesmo período de 2020, quando se registrou o maior volume de drogas já apreendido em um único ano na história do DOF.

 

Referência Nacional

O DOF tem se notabilizado nacionalmente no trabalho de polícia de ostensiva de fronteira, quer pelo pioneirismo nesse ramo de polícia especializada no Brasil, quer pela expertise de seus recursos humanos.

 

Policiais de todo o Brasil e de alguns países já estiveram na sede do órgão onde receberam treinamento e conheceram o modus operandi inovador e pioneiro no modelo policial brasileiro.

 

 

 

 

Nova sede

Em setembro do ano passado (2020) o Governador Reinaldo Azambuja assinou a ordem de serviço para que fosse dado início à construção do prédio que deverá abrigar a sede do DOF.

 

O prédio, que terá 1.434 m², está sendo erguido em um terreno de 17.400 m² na Marginal Guaicurus, conhecida como prolongamento da Rua Coronel Ponciano, em Dourados, materializando um sonho de mais de 30 anos.

 

A sede contará com heliponto, auditório, alojamentos, salas de aula, cozinha, refeitório e ambientes administrativos. A unidade policial ainda terá salas de logística, inteligência, investigação e cartórios, entre outras.

Por força da Lei 5.646/2021, publicada no Diário Oficial do Estado de 22 de abril de 2021 a nova sede fica denominada “Coronel Adib Massad” em homenagem a um dos policiais pioneiros e diretor do departamento no período de 07/03/1989 a 26/09/1996, falecido no último dia 03 de março aos 91 anos de idade.

 

 

Adib Massad – Coronel QOPM – 1989 -1996

A lenda Coronel Adib

Sua gestão à frente do DOF marcou uma época e sua conduta ilibada e firme no enfrentamento ao crime inspira aos policiais de hoje e com certeza servirá de exemplo aos policiais de amanhã.

Nascido em Cáceres (MT), em 22 de abril de 1929, de origem árabe, o coronel Adib Massad foi um dos policiais militares mais respeitados em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul em seus mais de 31 anos de carreira.

 

Tornou-se uma lenda viva ao restaurar a ordem pública e reduzir a criminalidade na região de fronteira com o Paraguai no comando do antigo GOF (Grupo de Operações de Fronteira), hoje DOF (Departamento de Operações de Fronteira), em Dourados, na década de 1990.

 

De poucas palavras, reservado, comedido, humilde e de caráter inabalável, o Coronel Dib, como era chamado, marcou sua trajetória policial pela coragem, determinação, disciplina e liderança. Para seus subordinados, foi mais além: um homem enérgico, porém justo, e operacional.

 

Iniciou carreira como oficial da Polícia Militar de Mato Grosso em 1953, assumindo, três anos depois, o cargo de delegado na cidade natal, Cáceres. Mesma função desempenhada em Poxoréu, Rondonópolis e Dom Aquino, no Norte o Estado, e em Jardim, Paranaíba e Porto Murtinho, ao Sul.

 

Águia da Fronteira

 

Foi delegado regional em Dourados e delegado de Roubos e Furtos em Cuiabá. Em 1966, comandou o 1º Batalhão da Polícia Militar de Campo Grande e, em 1975, a 4ª Companhia da Polícia Militar em Ponta Porã. Foi titular da delegacia especializada na área de tóxicos, entorpecentes e crimes contra o patrimônio, entre 1979/1980.

 

Depois de chefiar o Estado Maior da PM com a patente de coronel, em 1987, ganhou notoriedade nacional ao comandar o GOE (Grupo de Operações Especiais) e o GOF (Grupo de Operações de Fronteira, entre 1988/1995.

 

No livro biográfico “Coronel Adib – A História”, de 2007, de autoria do escritor cearense Guimarães Rocha, também ex-policial militar, Massad conta que o GOF era uma corporação com apenas 50 homens e cinco viaturas, mas, apesar das dificuldades, teve uma atuação ímpar no combate à criminalidade.

 

“Todos respeitavam o GOF”, diz ele. “A ponto de nossas viaturas, ao passarem pela segunda vez numa altura qualquer da cidade (Dourados), já não encontrarem as mesmas pessoas avistadas. Mesmo o cidadão comum sabia que a viatura indicava um lembrete para endireitar os passos (…)”.

 

Proteção divina

Integrado por policiais militares e civis, O GOF ficou conhecido como a “Águia da Fronteira”. Em 1993, a sociedade organizada e Dourados, em homenagem ao Coronel Dib e seus comandados, espalhou outdoors pela cidade com os seguintes dizeres: “nas garras desta águia repousa a tranquilidade”.

 

Ao deixar a corporação, Adib Massad foi eleito vereador no município com uma votação histórica, em 1996, um reconhecimento público ao trabalho que desempenhou no combate ao narcotráfico, descaminho e roubos de veículos, que era frequente na época.

 

Quando lhe é feita uma pergunta, durante sua narrativa no livro que descreve sua trajetória – “o senhor acha que recebeu alguma iluminação de Deus?” -, esse homem sem rodeios e de fundamentos espirituais, responde:

 

“Considero-me feliz, protegido muito além do que mereço, porque só a providência divina para justificar o fato de eu estar vivo aqui, ainda hoje…”

 

 

Coronel QOPM Wagner Ferreira da Silva – Diretor do Departamento de Operações de Fronteira (DOF)

Palavras do Diretor do DOF

“Nesses 34 anos de existência o DOF desenvolveu seus recursos materiais, agregando tecnologia, aperfeiçoando e sistematizando seus processos internos, mas ainda é o homem-policial seu maior patrimônio. O legado vocacional dos policiais de ontem nos inspira e nos imprime, hoje, a necessidade de continuarmos comprometidos com a nossa gente da Fronteira.

É um grande orgulho poder comemorar mais um ano do Departamento de Operações de Fronteira produzindo seus melhores resultados histórico, em prol não somente a sociedade sul-mato-grossense, mas a toda sociedade brasileira, pois entendemos que proteger nossas fronteiras é defender o país.”

 

 

Serviço

O DOF mantém um canal aberto direto com o cidadão para tirar dúvidas, receber reclamações e denúncias anônimas, através do telefone 0800 647-6300. Não precisa se identificar e, a ligação, será mantida em absoluto sigilo. O serviço funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.

Deixe uma resposta