MP intervêm em decretos que visam medidas de restrições do Governo de MS e Prefeituras 

0

O Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, Alexandre Magno Benites de Lacerda, reuniu-se, nesta semana, com representantes municipais e estaduais do Poder Executivo, com a Defensoria Pública-Geral, Procuradoria-Geral do Estado, OAB/MS e Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), para discutir não só os decretos eventualmente conflitantes, mas também para construir um diálogo que visa estabelecer uma atuação harmônica de regras à sociedade no combate à propagação da covid-19.

Como não foi possível a construção de um consenso, o Governo do Estado encaminhou ao Ministério Público Estadual, nesta quinta-feira (17), as justificativas apresentadas pelos Municípios de Campo Grande, Deodápolis, Fátima do Sul, Alcinópolis, Três Lagoas e Ponta Porã, e as decisões da SES (Secretaria Estadual de Saúde) de não acatamento.

Diante disso, em cumprimento a sua missão constitucional e, em consonância com as decisões do Supremo Tribunal Federal, o MPMS protocolizou Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs), requerendo, liminarmente, a realização de audiência visando a oitiva das autoridades que editaram os decretos em tela (Estado e Municípios) e a tentativa de conciliação, a ser realizada com a maior brevidade possível,  a fim de dirimir as divergências dos decretos sanitários e prevenir novos conflitos semelhantes.

Nas ações, o Procurador-Geral de Justiça do MPMS ressalta que: “A relevância pública do presente tema não se limita ao descumprimento, nesta semana, do decreto estadual, uma vez que o problema poderá se repetir nas próximas edições regulamentares do Prosseguir, com potencial multiplicador de demandas desse jaez. Por isso, é fundamental a construção de uma solução definitiva do problema, com a atuação proativa desse Colendo Órgão Especial, que poderá ser consolidada na audiência objeto deste pedido de liminar, sem prejuízo do julgamento do mérito da presente ação”.

Deixe uma resposta