Prefeitura da Capital estabelece novas medidas de biossegurança para combate à Covid-19

0

Diante do crescimento do número de internações de pacientes com Covid-19 nos hospitais de Campo Grande, que nesta segunda-feira (8) registram ocupação próxima a capacidade máxima, a Prefeitura de Campo Grande está atualizando as medidas de biossegurança para o enfrentamento ao Coronavírus. A decisão foi tomada nesta tarde, pelo Comitê de Enfrentamento à Covid-19 e embasada em dados apresentados na reunião.

 

O prefeito Marquinhos Trad pondera que a Prefeitura está adotando medidas que garantem proteção ao cidadão. “Estamos fazendo nossa parte e contando com a colaboração de todos para, juntos, vencermos esta pandemia”.

 

Além de retomar a desinfecção de ruas, feiras e terminais, a prefeitura planeja a retomada das barreiras sanitárias. Na noite desta segunda-feira recebem a sanitização os terminais General Osório, Nova Bahia e o Ponto de Integração Hércules Maymone.

 

A partir desta noite, a Guarda Civil Metropolitana e a Agetran vão intensificar as blitzes nas setes regiões urbanas da cidade, na busca de reduzir os acidentes, que quando não evitados, resultam na ocupação de leitos nos hospitais. Durante as rondas, o efetivo da guarda irá reforçar as orientações junto aos estabelecimentos comerciais que estiverem operando até às 23 horas.

 

Haverá também reforço nas ações de distribuição de máscaras e campanhas publicitárias de conscientização da população.

 

Outra medida importante, para reduzir a aglomeração de pessoas, é a ampliação, nos horários de pico, de viagens das linhas de ônibus do transporte público coletivo com maior número de passageiros, sendo a 70, 80, 81 e 62, alguns desses itinerários. Apenas no período da manhã serão entre 90 e 95 viagens a mais, o que deve redistribuir, aproximadamente, 5,5 mil passageiros. No período da tarde, 75 viagens, redistribuindo 4,3 mil passageiros.

 

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho alerta que o momento atual da pandemia exige, mais do que nunca, a colaboração de todos. “Estamos falando de uma doença por contágio.  Observamos demanda não apenas na rede pública, mas também na particular, que já está sem leitos de CTI para atender. Além das demandas da regulação, existem as demandas espontâneas, do interior do Estado”, explica.

 

“Esse é um momento dramático da pandemia, quando a Saúde chega a saturação máxima e, neste sentido, precisamos de uma estratégia coletiva”, reforça o secretário municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana, Luiz Eduardo Costa.

 

Além das ações anunciadas hoje, segue vigente o Decreto nº 14.642, de 25 de fevereiro de 2021, que entre as medidas estabelece o toque de recolher até o dia 13 de março de 2021, das 23h00min às 05h00min do dia seguinte, para confinamento domiciliar obrigatório em todo território do Município de Campo Grande, ficando terminantemente proibida a circulação de pessoas, exceto quando necessária para acesso aos serviços essenciais e sua prestação, comprovando-se a necessidade ou urgência.

 

A reunião desta tarde aconteceu na Esplanada Ferroviária e reuniu o prefeito Marquinhos Trad, primeira-dama Tatiana Trad, vice-prefeita Adriane Lopes, secretários municipais de Campo Grande, e entidades como a CDL, Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, Abrasel, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui