Saindo do papel: PMMS terá seu próprio estande de tiros

0

Emenda de R$ 1,4 milhão do Deputado Elizeu Dionizio viabiliza estande de tiro da Polícia Militar

 

Em janeiro deste ano, o Governo do Estado, por intermédio da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), publicou no Diário Oficial do Estado a assinatura do contrato de construção do estande de tiros para Polícia Militar.

 

De acordo com a publicação, o estande tem custo de R$ 1,412 milhão e será fornecido pela empresa Safety Wall Defesa e Segurança. A conclusão da obra está prevista para até dezembro deste ano.

 

Para Elizeu Dionizio, “o estande de tiro vai garantir que a segurança pública seja oferecida com mais qualidade, bem como vai valorizar e capacitar o policial militar, que é obrigado, muitas vezes, a entrar em confronto com marginais. Também vai contribuir no combate ao crime organizado, principalmente das organizações criminosas que estão instaladas nos países que fazem fronteira com Mato Grosso do Sul, por dar condições para que os policiais militares estejam preparados para o confronto”,  explicando que esta atividade é desenvolvida em área rural, de forma improvisada e inadequada para os melhores resultados que se deseja no campo da segurança pública.

 

Na última segunda-feira (19) Elizeu Dionizio esteve com o comandante geral da instituição Coronel Waldir Ribeiro Acosta, tomando ciência dos detalhes sobre os preparativos para o início das obras. Após a reunião, o deputado enfatizou que a “segurança pública sempre se faz com ações. Essa é uma de nossas contribuições. Além da PM,  teremos novidades também na Polícia Civil, bem como destinamos recursos também ao Corpo de Bombeiros Militar”.

 

Processo

 

O processo para viabilizar o recurso foi longo e dependeu do “empurrão” de Elizeu para sair do papel. O processo  que garantiu os R$ 1,4 milhão para o estande de tiros teve início em agosto de 2016, quando a Polícia Militar entregou o ofício 1365/2016 ao deputado. Em outubro daquele ano, dia 6, o  parlamentar conversou sobre o projeto elaborado pela corporação com o chefe à época da assessoria parlamentar do Comandante-Geral da Polícia Militar, Cleder Pereira da Silva.

 

À época ficou acertado que a PM iria adequar o projeto de forma a possibilitar que o deputado tivesse condições de destinar recursos para a obra, considerada essencial por dar condições ideais ao treinamento dos policiais. No Ofício foi  afirmado que “a preparação do policial militar para as situações cotidianas de uso das armas de fogo torna-se fundamental para o alcance dos objetivos, em cada uma das intervenções policiais”, enfatizando que “o treinamento com armas de fogo visa garantir a melhor prestação dos serviços afetos a área de segurança pública voltado para o aprimoramento da atividade policial com foco na garantia dos Direitos Humanos e na filosofia de Polícia Comunitária”.

 

Com esses argumentos, o deputado apresentou a emenda no Orçamento da União de 2017, tendo como gestor do recurso o Governo de Estado de Mato Grosso do Sul. Em setembro do ano passado, dia 25, Azambuja autorizou a construção. Em janeiro, foi assinado o contrato.

Deixe uma resposta