Caminhão com mais de 1 tonelada de erva seria do Barão da Maconha

0

Ao todo somaram mais de 1 tonelada de maconha e mais de 4 kg de haxixe.

 

 

 

Na manhã de quarta-feira (28) no bairro de Vista Alegre, localizado no município de Maracaju/MS, a Polícia Rodoviária apreendeu mais de 1 tonelada maconha e vários quilos de haxixe.

 

Os agentes deram ordem de parada ao veículo caminhão Hyundai/Hr Hdb com placas de São Paulo/SP, o condutor não obedeceu a ordem e empreendeu fuga. Alguns quilômetros à frente, o motorista perdeu o controle do veículo e acabou descendo em um barranco.

 

O condutor de 30 anos, declarou que transportava maconha vindo do Paraguai, levaria até Campo Grande/MS e receberia a quantia de R$ 10.000,00 (dez mil reais) pelo serviço.

 

No compartimento oculto na carroceira e dois tanques do veículo, a equipe encontrou vários tabletes de maconha e haxixe. Ao todo somaram 1261,7 kg (uma tonelada, duzentos e sessenta e um quilos e setecentos gramas) de maconha e 4,1 kg (quatro quilos e cem gramas) de haxixe.

 

Segundo o site de notícias capitanbado.com, o motorista do caminhão disse que a droga havia sido preparada na área de Colônia Cristino Potrero, no distrito de Capitán Bado.

 

A Colônia Cristino Potrero seria a base para um dos maiores traficantes de maconha no mercado brasileiro, o fugitivo Felipe Barão Escurra Rodríguez “Barão” Wring, então suspeita-se que a carga pertencia ao traficante foragido.

 

Acusações de assassinato

 

Felipe Barão Escurra Rodríguez é suspeito de ter planejado, em 2012, o assassinato do jornalista Cándido Figueredo Ruiz, que vive há vários anos protegido por policiais armados com armas automáticas por ser jurado de morte pelo crime organizado. Segundo o jornal ABC Color, a liberdade de Barão é inexplicável.

 

Barão também é acusado de ter ordenado a morte do presidente da Câmara de Capitán Bado, Epifanio Palacios, e outras duas pessoas, no dia 6 de março de 2008. O ataque foi uma resposta ao atentado a tiros ocorrido quatro dias antes, que deixou mortos um irmão de Felipe e seis homens que trabalhavam para o traficante.

Deixe uma resposta