Diálogo põe fim ao impasse de multas dos motoristas de ônibus

Foto: Júnior Miranda

0

Na manhã de quinta-feira (22), o presidente da Comissão Permanente de Transporte e Trânsito da Casa de Leis, vereador Coronel Alírio Villasanti, se reuniu com a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), o SSTTUC – CG (Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano de Campo Grande) e o Consórcio Guaicurus para discutir sobre as multas cobradas por atraso aos motoristas de ônibus.

Durante a conversa, o vereador intermediou a resolutiva, ficando acordado que a Agetran aceitará as justificativas dos motoristas. O acordado não suspenderá as multas, mas irá para o livro de bordo, onde será abonada a multa, aliviando a pressão que os motoristas têm passado nos últimos meses.

A cidade, atualmente, passa por obras da prefeitura na região central, por isso os atrasos são frequentes. Há um período de tolerância de dez minutos e as multa por atraso é em média R$ 150, enquanto o salário base do motorista de ônibus é de R$ 2.160.

As justificativas serão aceitas apenas nas linhas que passam pela área central que está em obras devido ao Reviva Campo Grande.

“Uma vitória para o motorista do transporte coletivo. A cidade está em obras, é justificável o atraso. É preciso ter serenidade neste momento e entender a atual situação. O motorista não pode ser onerado por algo que não depende dele”, disse o vereador Coronel Alírio Villasanti.

Outras reivindicações foram feitas pelo Sindicato de Trabalhadores do Transportes de Campo Grande, como o estudo para alteração da legislação das autuações dessas multas, bem como ter uma cadeira na Junta que julga os recursos das multas.

O parlamentar acolheu as demandas e já está providenciando a possibilidade de atender as reivindicações.

Deixe uma resposta