MS é referência nacional em energia renovável, diz ministro de Minas e Energia

0

Durante evento em Campo Grande, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, destacou que Mato Grosso do Sul é referência nacional em energia renovável. Ainda no prédio da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), na noite de terça-feira (27), ele afirmou que, em qualquer lugar que vá, cita o nome do Estado como bom exemplo de geração sustentável.

 

“Mato Grosso do Sul é um estado que tem se destacado em âmbito nacional por criar um ambiente de negócios favorável a investimentos, seja por intermédio de regulações feitas pelo governo estadual como alinhado às políticas públicas do Conselho Nacional de Política Energética. Mato Grosso do Sul é referência em energia renovável, seja ela da biomassa, seja ela solar”, disse o ministro.

O governador Reinaldo Azambuja destacou que o Ilumina Pantanal, projeto que está levando energia solar para áreas isoladas daquele bioma, tem um viés social importante. “Era inimaginável o que está acontecendo no Pantanal Sul-mato-grossense, que é você levar energia renovável, através das placas solares, a 2.167 propriedades em uma região extremamente remota, de difícil acesso. Essa construção do ministro, da sua equipe, com a parceria do governo, com a Aneel e a Energisa possibilita levar talvez um dos maiores projetos de cunho social hoje existente no Brasil, que é levar através do Ilumina Pantanal um bem de consumo que é a energia elétrica que vai melhorar a qualidade de vida àqueles moradores e os integrando com bens de consumo que nós temos e que eles, até então, não possuíam. Esse é um grande legado”, declarou.

 

A área que está sendo eletrificada no Pantanal é de 90 mil km² – uma extensão superior ao de Dinamarca e Holanda juntos. Para conseguir levar o projeto para essas regiões de difícil acesso serão utilizados vários modais logísticos ao longo do ano como barco, cavalo e trator. O Ilumina Pantanal vai beneficiar em torno de 5 mil habitantes nos municípios de Corumbá, Aquidauana, Coxim, Ladário, Porto Murtinho, Rio Verde e Miranda. A solução vai contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população local e o crescimento socioeconômico do pantanal, preservando a fauna e a flora do bioma.

 

O ministro também falou do trabalho que está sendo desenvolvido para evitar que a crise hídrica, a maior dos últimos 91 anos, afete o fornecimento de energia elétrica. Já o presidente da Fiems, Sérgio Longen, apresentou as principais ações do Sistema Indústria com relação à pesquisa, inovação e consultorias em energias renováveis e eficiência energética.

 

Deixe uma resposta