Facção: polícia captura mais oito pessoas envolvidas no “julgamento” de jovem decapitada

0
59

Após a divulgação do vídeo da execução da vítima Lailla Cristiane de Arruda (19), as Polícias Civil e Militar de Sonora localizaram o aparelho celular utilizado na gravação, além da bolsa da jovem, a qual aparece no vídeo, mas não havia sido encontrada no local do crime.

A bolsa da vítima contendo objetos pessoais foi encontrada no meio do canavial. Já o celular de LAILLA estava enterrado na residência de UANDERSON FERREIRA ANANIAS, vulgo JAMAICA (25), na Rua Tancredo Neves, em Sonora/MS. Após o crime, UANDERSON ficou em poder do celular da vítima, o qual foi utilizado pelos adolescentes infratores para a gravação do assassinato.

Os policiais também encontraram o local em que a vítima foi submetida a “julgamento” pela facção criminosa, sendo um quarto nos fundos de um lava jato na Avenida das Chácaras, pertencente a ODIMAR DOS SANTOS, vulgo PILOTO (23). Neste quarto foram encontrados objetos que fazem referência à facção criminosa, além de documentos pessoais da vítima LAILLA. Ficou esclarecido que o quarto de ODIMAR foi cedido para que a vítima fosse mantida em cativeiro, sendo impedida de sair enquanto era “julgada”.

Segundo o apurado, no celular da vítima foram encontradas fotos que faziam apologia à facção criminosa rival, razão pela qual LAILLA foi “sentenciada” à morte.

Entre os presos estão VICTOR HUGO LOPES DA CRUZ (18), ex-namorado da vítima, e VITORIA VALDINA SOUZA DA SILVA (18), amiga da vítima, os quais atraíram LAILLA até o local de “julgamento”, sob o pretexto de tomarem tereré.

JOÃO PAULO DA SILVA, vulgo JP (22), MAYCON DOUGLAS ALMEIDA GONCALVES DA SILVA, vulgo Maicola (20), MATHEUS DO NASCIMENTO SILVA, vulgo Cuiabano (22), e adolescente infrator A. B. S. (16) participaram do “julgamento”, intermediando as informações entre os integrantes da facção e prestando apoio material para o assassinato.

Os 08 (oito) indivíduos foram autuados em flagrante delito pelo crime associação criminosa. E, no decorrer no inquérito policial, também serão indiciados pelo crime de homicídio triplamente qualificado.